terça-feira, 28 de maio de 2013

Porto Alegre (RS) – Curso de Metodologia para o Projeto de Restauro





















Fonte: http://defender.org.br/2013/05/28/porto-alegre-rs-curso-de-metodologia-para-o-projeto-de-restauro/


Sem apoio, ator promete fechar casarão tombado em SP

Mio, um gato surdo de dez anos, mal sabe que seu deslizar suave e livre pelos 430 m² de área construída do Casarão do Belvedere (1927), tombado pelo patrimônio histórico há uma década, está com dias contados.
O dono do local, o ator Paulo Goya, 61, afirma estar “muito cansado, desanimado e falido” para manter o trabalho diário que exige a instalação e consome R$ 10 mil por mês, em média.
Ele pretende nos próximos meses fechar as portas da casa, hoje ponto de encontro de músicos e palco de manifestações artísticas diversas.
Diz não aguentar mais o descaso e a falta de apoio público para manter viva a memória do local, que fica na rua Pedroso, na Bela Vista, no centro da cidade.
Construído por Raphael Lanzara para os bisavós de Goya, imigrantes franceses, o casarão tem 11 cômodos com paredes e teto ornamentados, rodeado de árvores.
“Uma parte do telhado está com infiltração e vai desabar em breve. O orçamento para arrumar é de R$ 110 mil. Não tenho condições de arcar. Já coloquei R$ 570 mil do bolso em pequenas reformas para manter a casa aberta. Agora chega”, diz o ator.
O desabafo de Goya faz eco entre proprietários de outros 32 imóveis, contando apenas casas e casarões, tombados pelo conselho do patrimônio municipal, desde 1988, na cidade de São Paulo.
Eles reclamam da falta de apoio para conseguir manter em pé as instalações protegidas e a memória dos bens.
“Jamais pedi dinheiro público para colocar no casarão. O que sempre quis foi apoio para fazer os projetos de restauração, que são caros e complexos. Ninguém do setor público me deu caminhos para viabilizar o bem tombado.”
A construção de um prédio de 20 andares no terreno ao lado também desanima o proprietário, que reclama do descompromisso com áreas de entorno de casas como a dele.
“Como o bairro cresceu de qualquer maneira, o casarão foi perdendo visibilidade na rua. Nem a caixa que trabalha no mercado da esquina conhece aqui. Tentei que colocassem uma placa marrom indicativa de patrimônio histórico, mas nem isso consegui. Tudo é difícil.”
Como protesto, Goya protocolou na prefeitura pedido de destombamento.
“Quero ver se, pelo menos, vão me chamar para conversar. Não tenho muita esperança, mas, talvez, alguém veja que o imóvel tem IPTU de R$ 23 mil por ano e resolvam dar algum valor.”

Alternativas
Por meio da assessoria de imprensa, o Departamento do Patrimônio Histórico informou que “está à disposição para discutir com o dono do casarão alternativas para preservação do bem tombado”.
Segundo o órgão, “a nova gestão [encabeçada pela arquiteta Nadia Somekh], iniciada há poucos meses, está baseando toda a construção das políticas públicas para a cidade em torno do diálogo”. Por Jairo Marques

Fonte: http://defender.org.br/2013/05/28/sem-apoio-ator-promete-fechar-casarao-tombado-em-sp/ 














Casarão do Belvedere (centro de SP), construído em 1927; seu dono, o ator Paulo Goya, afirma que não consegue manter o local. Fotos: Victor Moriyama/Folhapress














Casarão do Belvedere (centro de SP), ponto de encontro de músicos; seu dono, o ator Paulo Goya, afirma que não consegue manter o local. 





















Os 430 m² de área construída do Casarão do Belvedere (centro de SP) servem como palco de diversas manifestações artísticas.

São Paulo (SP) – Museu da Língua Portuguesa pode ser restaurado

O tombamento é uma restrição administrativa imposta pelo Estado, visando à preservação do bem considerado patrimônio histórico. Por isso, a juíza federal Rosana Ferri, titular da 2ª Vara Federal Cível em São Paulo, julgou improcedente o pedido do Ministério Público Federal para que fossem anuladas as autorizações expedidas para a restauração de edifício na Estação da Luz onde hoje se encontra o Museu da Língua Portuguesa, na capital.
Para o MPF, a reforma do prédio ofende ao “princípio da legalidade, haja vista que quaisquer autorizações administrativas que impliquem destruição, demolição e mutilação do patrimônio histórico são vedadas por lei”. O órgão ainda lembra que, devido à importância histórica e paisagística do prédio, foi promovido o seu tombamento, reconhecido no âmbito municipal, estadual e federal.
Além da declaração de nulidade das autorizações expedidas, o MPF ainda requereu que a Fundação Roberto Marinho, responsável para executar o projeto, reconstruísse o prédio nas partes supostamente demolidas, bem como a divulgação na imprensa escrita e televisiva da sentença condenatória proferida no processo.
“A análise a ser feita não deve se restringir à impossibilidade de mudanças no bem tombado, mas sim a restauração visando à preservação, de modo a resguardar o valor histórico que detém o bem, permitindo a transmissão desses valores a gerações futuras”, afirmou Rosana Ferri.
A Fundação Roberto Marinho comprovou que obteve as autorizações necessárias para a reforma “por intermédio de válido e regular procedimentos administrativos” e que todas as exigências formuladas no projeto base foram cumpridas.
Rosana Ferri afirma que a proposta de restauração da Estação da Luz “insere-se num projeto muito maior que é a revitalização do Centro Histórico de São Paulo” e que “trazer uma nova finalidade para um edifício antes depreciado [...] justifica, de maneira bem plausível, as intervenções feitas com a reforma proposta pela Fundação Roberto Marinho”.
A decisão ainda traz trechos do laudo pericial que, invariavelmente, fazem elogios ao resultado da reforma como: “o trabalho de recuperação das fachadas e de partes do edifício foi feito com maestria” ou “o espaço recuperado possibilitou o resgate da história construtiva da edificação”.
A juíza ainda afirma que “a ‘coisa tombada’ não é imutável, desde que se cumpram certos requisitos e, respeitados os limites impostos pelos órgãos de proteção, modificando o necessário, houve a readequação do edifício para um novo uso, nova finalidade em busca de atender aos novos anseios da sociedade”. Com informações da Assessoria de Imprensa da Justiça Federal de São Paulo.
Processo 0000004-75.2005.403.6100

Fonte da Pesquisa: http://defender.org.br/2013/05/28/sao-paulo-sp-museu-da-lingua-portuguesa-pode-ser-restaurado/ 



sábado, 25 de maio de 2013

Centro Cultural Indígena será inaugurado em Porto Velho

O Centro Cultural Indígena construído no entorno da Capela de Santo Antônio, como parte do pacote de compensação da Santo Antônio Energia (SAE), será inaugurado em uma semana, em Porto Velho. São cinco prédios para exposições e apresentações culturais.
A Capela de Santo Antônio continua como um dos marcos da criação de Porto Velho. Prestes a completar 100 anos de construção a capela ganhou reformas no piso, pintura nova, central de ar-condicionado, calçadas com acessibilidade, lixeiras e estacionamento. Entretanto, um dos principais pontos turísticos da capital também terá outros cinco prédios que foram construídos para abrigar o Centro Cultural Indígena.
O centro poderá ser utilizado para exposições e apresentações culturais. Um dos prédios foi adaptado para se tornar uma biblioteca. O projeto de construção da obra foi acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
Acessibilidade para cadeirantes, banheiros e lanchonete também fazem parte da obra. Tudo adaptado ao clima amazônico. Uma das principais atrações do local é um estrutura em formato de oca, construção indígena, projetada pelo mesmo arquiteto responsável pelo cenário do filme 'Xingu'. Uma homenagem aos povos que cederam espaço para a construção da ferrovia Madeira-Mamoré.
O coordenador de sustentabilidade da SAE Alexandre Queiroz disse que o sistema de ventilação das estruturas do centro é referência no estado e que tudo foi planejado pensando na história e nas características da região.
Há mais de 20 anos trabalhando na preservação do local, o presidente da Associação do Entorno da Capela de Santo Antônio Antônio Moisés Cavalcanti, diz que aprovou a construção.  "Eu espero que as pessoas venham para o centro para conhecer e preservar e que elas cuidem do local", diz Cavalcanti.

Fonte: http://g1.globo.com/ro/rondonia/noticia/2013/05/centro-cultural-indigena-sera-inaugurado-em-porto-velho.html 

Ponto turístico e ruas de Teresópolis, RJ, estão sendo revitalizados

Limpar e dar cara nova a diferentes ruas e bairros de Teresópolis, Região Serrana do Rio. Esse é o objetivo da prefeitura da cidade que iniciou nesta quinta-feira (23) a revitalização do Mirante da Granja Guarani, tombado pelo Inepac (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural) desde 1988.
O Mirante é um importante atrativo turístico e histórico de Teresópolis e foi feita a limpeza de todo o seu entorno.
Os trabalhos de manutenção fazem parte do processo de recuperação e revitalização da área que, no início do mês de abril, recebeu a visita de dois arquitetos que estão preparando a restauração do complexo.
Também foram realizadas capinas, roçada e varrição ao longo da Avenida Oliveira Botelho, no bairro Alto. Depois das obras de asfaltamento, a via receberá limpeza em ambos os lados, inclusive com poda das jardineiras situadas nas calçadas.  Outro trabalho que está sendo feito  é a recomposição dos paralelos da Rua Ipojuca, em Agriões, e na Estrada José Gomes da Costa Jr., na Posse.  Os pontos mais críticos do calçamento das vias estão sendo recuperados. No Centro, a “Calçada da Fama” também teve o piso de intertravados restaurado na manhã desta quinta-feira.
Somente no mês de maio, três praças de Teresópolis foram revitalizadas: Expedicionários (Tiro de Guerra) e Nossa Senhora Aparecida, no bairro São Pedro, e Luis de Camões (Olímpica), na Várzea.

Fonte: http://g1.globo.com/rj/regiao-serrana/noticia/2013/05/ponto-turistico-e-ruas-de-teresopolis-rj-estao-sendo-revitalizados.html 
















O Mirante passou por limpeza para ser revitalizado
(Foto: Jeferson Hermida/Divulgação)

quinta-feira, 23 de maio de 2013

IPHAN-RJ realiza digitalização de arquivos para a preservação da memória ferroviária

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Rio de Janeiro (IPHAN-RJ) em parceria com a Inventariança da Extinta Rede Ferroviária Federal, antiga RFSSA, iniciaram neste mês de maio a  digitalização do acervo iconográfico de valor histórico da Unidade Regional Campos (URCAM). Antes da extinção da RFFSA, a Unidade Regional era sede da administração de aproximadamente 1500 km de linhas ferroviárias operacionais e, aproximadamente, 1700 km de linhas ferroviárias não operacionais e/ou erradicadas.

Seu acervo registra o percurso histórico de ramais ferroviários e possui herança na formação da malha férrea do Brasil, detendo vasta documentação de escrituras, plantas, mapas, fotografias e muitas outras peças de valor histórico e cultural que registram e testemunham desde os investimentos ingleses no Brasil no final do século XIX, através da The Leopoldina Railway Company Limited, passando pelas empresas brasileiras e suas sucessoras, pela criação da Extinta Rede Ferroviária Federal S/A - RFFSA (1957) e todos os anos de seu funcionamento.

A iniciativa busca preservar a memória ferroviária e resulta de uma ação imediata dos parceiros pela salvaguarda da integridade do acervo da URCAM, que além de inegável valor cultural, é fonte de pesquisa para o trabalho administrativo e judicial de diversos órgãos, além do IPHAN e da Inventariança da Extinta RFFSA, tais como DNIT, SPU e outros.

Na primeira fase do trabalho, o recém-criado Núcleo de Digitalização do Escritório Técnico do IPHAN na Região dos Lagos (ETRL/IPHAN-RJ) está higienizando, catalogando e digitalizando cerca de 400 imagens, registradas por volta de 1900, todas elas compostas por cromos negativos em vidro (ver fotos), um requinte de técnica fotográfica utilizada pela Estrada de Ferro The Leopoldina Railway Company Limited para documentar a evolução dos ramais férreos nos citados Estados. Após esta etapa, a equipe do ETRL passará à catalogação e digitalização das imagens históricas conservadas em papel.

Ainda em 2013, o IPHAN, em parceria com a Inventariança da Extinta RFFSA, pretende implantar na URCAM um laboratório de digitalização cuja proposta será digitalizar grande parte do acervo de Plantas e Mapas (grandes formatos) existentes naquela Unidade Regional, cujo montante alcança cerca de 8 mil desenhos técnicos, muitas delas datadas desde o final do século XIX. Tal acervo é de fundamental importância para a elaboração de projetos de restauração de estações ferroviárias e outros imóveis, todos eles relativos à Memoria Ferroviária que se pretende preservar.
Fonte: Ascom-IPHAN/RJ 

Fonte: http://portal.iphan.gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=17409&sigla=Noticia&retorno=detalheNoticia




Câmara revoga cessão da Vila Santo Aleixo e prefeitura retoma patrimônio

A concessão da Vila Santo Aleixo, prédio histórico cedido pela Prefeitura de Taubaté para uma associação particular em 2012, foi revogada pela Câmara em sessão extraordinária na tarde desta segunda-feira (20). Com isso, a administração municipal retoma a responsabilidade pela manutenção e conservação da estrutura, que fica na Praça Santa Terezinha.
A medida, formalizada por meio de um projeto de lei do Executivo, acata a ação civil movida pela Defensoria Pública em março e que pedia a suspensão imediata da lei que autorizava a cessão do patrimônio por 30 anos. O processo do defensor Wagner Girón de La Torre argumentava que a doação seria ilegal por ter sido feita em período eleitoral e sem licitação.
No século 19, a Vila Aleixo era a residência oficial do primeiro cardeal do Brasil  - Dom Arco Verde. O patrimônio, que é tombado, está fechado há cinco anos e havia sido doado à Associação Convention Bureau tendo como contrapartida a reforma do espaço. A cessão do prédio para a associação foi aprovada e sancionada em 2012, mas a concessão não chegou a ser formalizada.
Na época da cessão, o presidente era José Antônio Saud Júnior, que atualmente é o secretário de Turismo do município. O cargo na associação foi assumido por João Roman Neto. Eles chegaram a realizar reformas na Vila Santo Aleixo.
O valor do serviço executado foi de R$ 35 mil, segundo Roman Neto, que diz que não vê problema na retomada do patrimônio. "O que eu e o José Antônio fizemos lá foi uma obra para que o prédio não caísse, não foi uma restauração. O trabalho foi feito com um investimento pessoal nosso, não do Bureau. De maneira alguma essa retomada é vista como um problema, continuaremos a contribuir, desta vez com ideias", disse. A obra no local  incluiu troca de rufos e calhas do telhado e reforma de paredes que estavam deterioradas por rachaduras e infiltrações.

Aprovação
Apesar de terem aprovado por unanimidade, parte dos vereadores discorda da devolução do patrimômio à prefeitura. Eles temem que o local volte a ficar abandonado. O vereador Luizinho da Farmácia (PR) é um deles. "Sou contrário ao que pensam membros da ONG Preserva Taubaté. O prédio foi cedido, não doado, para ser usado em benefício da sociedade. A Vila Santo Aleixo está no centro de um jogo de 'empurra', o grupo [Preserva] critica, mas não dá uma solução. Acho que vai continuar abandonado. Votei a favor, porque esse era o caminho, a Justiça questiona a cessão", disse o parlamentar, por telefone, ao G1.
O diretor-presidente do Preserva Taubaté, Paulo Ernesto Marques Silva, rebate. "Primeiro, que não cabe ao movimento tomar iniciativas que digam respeito à gestão do patrimônio, nosso papel é de fiscalizar. Além disso, não somos contra a cessão, desde que o processo seja transparente e que se dê nos moldes da lei, o que não aconteceu. Exigimos junto com a cessão, um cronograma de obras, um compromisso quanto a finalidade de uso do espaço e cobramos para que o patrimônio não fosse usado indevidamente em ano eleitoral", explicou.

Destino
De acordo com o secretário, José Saud, a Vila Santo Aleixo deverá abrigar, depois de passar por obras de restauração neste ano, a nova sede da Secretaria de Turismo e Cultura (Setuc), que atualmente fica na Rodoviária Nova.

Segundo ele, a partir deste mês a prefeitura dará início a um projeto de restauro do patrimônio, que terá que ser submetido ao Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat). "Além da secretaria, o espaço vai ser uma base de apoio a projetos da pasta que serão feitos na Praça Santa Terezinha e poderá receber festivais de Natal, orquestras e recitais", disse Saud.

Fonte: http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2013/05/camara-revoga-cessao-da-vila-santo-aleixo-e-prefeitura-retoma-patrimonio.html 
















Concessão da Vila Santo Aleixo foi revogada pela Câmara de Taubaté. (Reprodução/TV Vanguarda)

terça-feira, 21 de maio de 2013

Abaixo-assinado para tombamento de edifício no centro do Rio

Petição pede a preservação de Quartel General da Polícia Militar na Rua Evaristo da Veiga, na capital fluminense

Rio de Janeiro

Abaixo-assinado online defende o tombamento do edifício do Quartel General da Polícia Militar na Rua Evaristo da Veiga, no Rio de Janeiro.
Tal proposta vem contrapor a implosão da edificação pretendida pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, suscitada pelo interesse da Petrobras, em 2012, na compra do terreno para a construção de uma nova sede para a empresa. A petição pública fundamenta-se em argumentos históricos e arquitetônicos, podendo ser lida na íntegra no link: 

 

 
 
 
 
 
 
 
 Quartel General da Polícia Militar no Rio de Janeiro [Google Street View]

Lançamento de livro sobre o Patrimônio Cultural

Lançamento de Livro discute a Revitalização na Região da Luz

Janaina Maquiaveli lança "Cidades em Miniatura", em que compara o processo de revitalização da Luz à de bairros de Nova York

São Paulo

Fruto de sua tese de doutorado, o livro traça a revitalização do "Meatpacking district" e o compara aos bairros limítrofes da Luz, em São Paulo.


 



















Romano Guerra faz semana de pré-lançamento do livro "Ministério de Educação e Saúde", de Roberto Segre

Com preço promocional, de 15 a 24 de maio, na sede da editora

São Paulo

Durante o período, todos os livros disponíveis em catálogo estarão sendo vendido com desconto de 40% a 50% para quem adquirir dois ou mais livros.
Os fatos, as fotos, os personagens, os projetos,os documentos e a repercussão no mundo em 544 páginas coloridas em papel couchet encadernado em capa dura.
A história completa do edifício do Ministério de Educação e Saúde, contada por Roberto Segre em mais um livro da Romano Guerra Editora.
O livro será vendido pelo preço promocional de R$ 100,00 (preço de capa: R$ 160,00) em nossa sede localizada na Rua General Jardim 645, conjunto 31, Vila Buarque, São Paulo.

semana de pré-lançamento e promoção

de 15 a 24 de maio de 2013
atendimento ao público de segunda a sexta, das 10h às 18h.

Consulte por email sobre as condições para aquisição via correio.
Romano Guerra Editora
Rua General Jardim 645 conj 31 Vila Buarque
01223-011 São Paulo SP Brasil
fone 11 3255.9535 / email rg@romanoguerra.com.br

sobre o livro
Ministério da Educação e Saúde – Ícone urbano da modernidade brasileira (1935-1945)
Roberto Segre
colaboração
José Ripper Kós, José Barki, Naylor Vilas Boas, Rodrigo Cury Paraízo, Thiago Leitão de Souza, Andrea Borde, Paulo Vidal Leite Ribeiro, César Jordão e Eduardo Vasconcelos
coordenação editorial
Abílio Guerra, Silvana Romano Santos e Ana Paula Koury
ensaio fotográfico
Nelson Kon
projeto gráfico
Carlito Carvalhosa e Gabriela Favre
patrocinadores
Vale, Caixa e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo
Romano Guerra, 2013, capa dura, 544 p, 17 x 24 cm, 2500 g, ilustrado, colorido, fotos, desenhos
ISBN 978-85-88585-40-9


 










Nestor Goulart Reis no ArquiMemória 4

Professor da FAU USP lança dois livros durante o evento

Salvador

Os livros "As Minas de Ouro e a formação das Capitanias do Sul" e "Robert Smith e o Brasil" tratam do patrimônio cultural brasileiro.
No final da tarde desta terça-feira (14) foram lançados dois livros do pesquisador e professor Nestor Goulart Reis, dentro da programação do ArquiMemória 4 – Encontro Internacional sobre Preservação do Patrimônio Edificado, que acontece até sexta-feira, no Centro de Convenções. Embora com propostas bastante diferenciadas, os livros "As Minas de Ouro e a formação das Capitanias do Sul" e "Robert Smith e o Brasil" tratam do patrimônio cultural brasileiro, que sempre foi alvo das pesquisas de Nestor.
Resultado de uma pesquisa encomendada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), "As Minas de Ouro" aborda a formação das capitanias do sul, localizadas no Vale do Itajaí, a partir da perspectiva da mineração, importante atividade econômica da região desde os anos de 1.600. "Nunca havia sido feito um estudo sobre a formação daquelas capitanias, do Espírito Santo para o sul, a partir desta perspectiva e utilizando o conceito de paisagem cultural, que permite um estudo integrado das diversas ideias do campo", destacou o autor.
O outro livro lançado, que teve apoio do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), é intitulado "Robert Smith e o Brasil", reúne uma série de artigos, escritos e fotos do pesquisador e historiador norte-americano que possui extensa produção sobre a arte colonial brasileira. Dentre as suas produções, destaca-se "Salvador - Arquitetura Colonial", que Nestor considera "leitura obrigatória para os estudantes".
O arquiteto e professor de história da arquitetura Nestor Goulart dos Reis Filho nasceu em 1931 e acompanhou a história arquitetônica brasileira e internacional, ao longo de meio século. Professor aposentado da USP, Goulart Reis optou pelo trabalho teórico, praticamente desde o início da vida acadêmica.
O ArquiMemória 4 acontece até sexta, 17 de maio, no Centro de Convenções da Bahia, em Salvador, com programação diversificada, palestras magistrais, mesas e colóquios temáticos, lançamentos de livros e revistas, comunicações e apresentação de projetos de intervenção, tendo a participação de especialistas de todas as regiões do Brasil e de mais 15 países. O evento é promovido pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), através do Departamento da Bahia (IAB-BA), em parceria com a Faculdade de Arquitetura e o Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Ufba.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nestor Goulart Reis em lançamento de livro no Arquimemória
Foto Ricardo Prado | IAB-BA

segunda-feira, 20 de maio de 2013

A nova moda do imperador

Sobrado construído a mando de D. Pedro I para abrigar sua amante, a Marquesa de Santos, em 1826, pode ser transformado em Museu da Moda. A notícia vem gerando críticas por parte de historiadores

Gabriela Nogueira Cunha

“O soberano a cobria de presentes e uma casa, perto da Quinta de São Cristóvão, estava sendo construída para que ficassem mais próximos (...) D. Pedro não hesitava em confessar que seguia a ‘opinião de sua amásia’, a quem, segundo o imperador, não faltava bom-senso.” Retirado do romance de Mary Del Priore, A Carne e o Sangue – livro que narra as peripécias amorosas de D. Pedro I e sua amante Domitila de Castro Canto e Melo - o trecho fala sobre a construção do Solar da Marquesa de Santos, em 1826. Naquela época, o que acontecia entre as quatro paredes do atual Museu do Primeiro Reinado já dava o que falar. Hoje, a polêmica em torno da casa é um pouco diferente: um projeto da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro pretende transformá-lo em Museu da Moda, fato que vem despertando a preocupação de historiadores
A notícia da transformação foi publicada no site oficial do Governo do Estado, no último mês de março. A nota promete a consolidação da economia criativa na Zona Norte, movimentando a indústria têxtil em São Cristóvão, assim como a revitalização do bairro imperial. Depois de uma manifestação por parte do professor José Murilo de Carvalho, da UFRJ, foi a vez de Nireu Cavalcanti, uma sumidade em Rio de Janeiro, se pronunciar contra a desconstrução histórica da casa da marquesa. A crítica foi publicada pelo jornal O Globo: para os pesquisadores, a ideia de usar o lugar como Museu da Moda seria “uma idiotice”.

A birra, claro, não é contra a moda, mas em defesa do fortalecimento do Museu do Primeiro Reinado, tombado pelo Iphan em 1938 e transformado em museu na década de 1970. Hoje, ainda se encontra fechado para restauro, um projeto iniciado em 2011. “Eu defendo que o museu que conta a história do reinado de Pedro I seja exemplar. Com tanto imóvel vazio na cidade não faz sentido perpetuar esse crime contra a história pátria”, reclamou Cavalcanti.
Cenário do romance vivido pelo Imperador e a Marquesa de Santos, entre 1827 e 1829, o terreno foi adquirido em 1826 e coube ao arquiteto francês Pierre-Joseph Pézerat conceber um novo projeto para o imóvel. As pinturas decorativas foram confiadas a Francisco Pedro do Amaral, pupilo do artista francês Jean-Baptiste Debret.
Mas o solar também foi palco de acontecimentos da maior relevância da corte. Segundo a historiadora Mary del Priore, quando não sediou eventos, o casarão sempre esteve a eles conectado. “Ali, D. Pedro I passou os primeiros anos que se sucederam ao processo de emancipação e não só namorando a Marquesa de Santos. 


O projeto
As obras de restauração da Casa da Marquesa de Santos entraram agora em sua segunda fase, com a elaboração de projetos executivos. A primeira etapa foi realizada pela fundação Espírito Santo Cultura. Mas, o plano é que, em breve, o terreno em torno do solar seja desapropriado para a construção de anexos que serão ocupados pelo Museu da Moda e o Rio Criativo. O complexo vai abrigar cerca de 20 incubadoras de empresas, mais ateliês, lojas e restaurantes.
A Secretaria de Cultura do estado, no entanto, afirmou por meio de sua assessoria de imprensa tratar-se de um projeto embrionário, ainda em estudo, que está sendo desenvolvido em parceria com o Instituto Zuzu Angel e a Fundação Getúlio Vargas. “Se vier a ser realmente firmado como projeto, só ficaria pronto depois de 2016. E seria instalado num prédio a ser construído em um terreno contíguo ao da Casa da Marquesa de Santos, não nela.”

Fonte:  http://www.revistadehistoria.com.br/secao/reportagem/a-nova-moda-do-imperador

















Solar da Marquesa de Santos, em São Cristóvão, abriga atualmente o Museu do Primeiro Reinado

Publicação revela belezas de jardins históricos do país

As esculturas, os coretos, as fontes e os mais variados equipamentos dos mais belos jardins de todo o país são a temática do livro Jardins do Brasil, de Carlos Fernando de Moura Delphim, que será lançado nessa segunda-feira, dia 20 de maio, às 20h, em Brasília. A publicação, com informações inéditas, ressalta aspectos de inserção urbana dos jardins das cidades como locais de convivência social ao longo da história. Muitos desses locais abrigam obras de artistas como Aleijadinho e mestre Valentim, além de diferentes espécies de plantas e flores.
O Autor
Carlos Fernando de Moura Delphim nasceu em Lavras - MG e formou-se na Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais. Iniciou seu trabalho na área do patrimônio no final dos anos 70, quando integrou o grupo responsável pela Restauração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Em seguida, criou o Programa Jardins Históricos na Fundação Nacional pró-memória. Desde os anos 80 tem atuado no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em defesa do patrimônio natural, propondo uma visão mais ampla sobre essa área. Também realizou projetos de paisagismo em vários locais do mundo. No Brasil, dentre seus trabalhos, destacam-se os realizados para Oscar Niemeyer no Memorial da América Latina, em São Paulo, no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, e da Universidade Norte Fluminense.

Serviço:
Lançamento do livro Jardins do Brasil, de Carlos Fernando de Moura Delphim
Data:
20 de maio de 2013, às 20h
Local: Livraria Cultura – Teatro Eva Herz
           Shopping Center Iguatemi Brasília
           SHIN CA 4, Lote A – Lago Norte
Fonte: ASCOM/IPHAN 

Fonte: http://portal.iphan.gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=17404&sigla=Noticia&retorno=detalheNoticia




Prédio projetado por Oscar Niemeyer em Teresópolis, RJ, será tombado

O prédio onde funciona a Escola Ginda Bloch em Teresópolis, Região Serrana do Rio, será tombado. A obra tem seu projeto de construção atribuído a Oscar Niemeyer e, a partir de agora, tanto o prédio como a Praça Nilo Peçanha, no bairro do Alto, onde está situado, são considerados patrimônios históricos culturais. O decreto de tombamento foi publicado nesta semana no Diário Oficial do município.

A decisão é resultado de amplo estudo e pesquisa realizados pelo Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Municipal. O processo teve início em 2010, quando o Ministério Público foi provocado, começando a investigação, tendo em vista informações de que a escola, construída pelo empresário Adolpho Bloch e doada ao município, teria projeto atribuído ao renomado arquiteto Oscar Niemeyer.

De fato, embora não reconhecido no catálogo do arquiteto, o projeto da escola – cujo prédio tem formato de materiais escolares quando visualizado de vista aérea – tem em suas linhas e traços todas as características presentes nas obras de Niemeyer, falecido aos 104 anos em dezembro de 2012. Sua autoria foi, inclusive, destacada pelo próprio Bloch durante a inauguração da escola, no ano de 1970, conforme matéria publicada na revista Manchete, à época.

Para o Secretário de Cultura, Wanderley Peres, o tombamento da Escola Ginda Bloch é fundamental dentro do processo de preservação da memória de Teresópolis. “Mesmo não estando oficialmente no catálogo de Niemeyer, é sabido e comprovado que o projeto foi desenhado pelo arquiteto. Uma obra com esta importância histórica não pode de forma alguma ser deixada de lado. Ao contrário, merece o tombamento, tornando-a parte integrante do Patrimônio Público de Teresópolis, o que possibilitará seu reconhecimento e sua manutenção com a garantia da preservação de suas características”, comentou.

Fonte: http://g1.globo.com/rj/regiao-serrana/noticia/2013/05/predio-projetado-por-oscar-niemeyer-em-teresopolis-rj-sera-tombado.html 

















O prédio onde funciona a Escola Ginda Bloch em Teresópolis, no bairro do Alto, será tombado como patrimônio histórico cultural (Foto: Jeferson Hermida)

Casarão no Centro Histórico de Oeiras no Piauí ameaça cair

A cidade de Oeiras, localizada a 313 quilômetros de Teresina, ao Sul do Piauí, integra a Rede de Patrimônio Cultural do estado com algumas edificações tombadas pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). No entanto, alguns prédios antigos, que compõem o Centro Histórico da cidade, que foi a primeira capital do estado, estão ameaçando desabar.
Um exemplo é o ‘Casarão dos Portelas’, localizado no cruzamento das ruas Cônego João com a Getúlio Vargas. Segundo a oeirense Ester Rêgo Ribeiro, vizinha do prédio, a situação do antigo casarão é crítica e ele ameaça desabar por completo a qualquer momento.
“Isso está causando muita preocupação para os moradores dessa região, pois o prédio está em ruinas e qualquer ventania ou uma chuva forte pode destruir tudo e causar um problema maior”, disse.
De acordo com o antigo dono do casarão, Francisco Portela Barbosa, logo que o prédio apresentou problemas a família ainda tentou fazer uma reforma, porém uma comissão do Iphan não teria autorizado as intervenções no casarão.
“As autoridades têm que tomar providências antes que aconteça uma tragédia. A gente fica sem saber a quem recorrer, pois existe um jogo de empurra sobre a quem cabe a responsabilidade na restauração da casa antiga”, falou Portela.
Segundo ele, a última vez que técnicos do Iphan estiveram no local foi há dois anos. “Queremos que nossa história seja mantida para outras pessoas conhecerem como era antigamente”, disse o aposentado.
Claudiana Cruz dos Anjos, superintendente do IPHAN no Piauí, explica que existe um entrave com relação ao proprietário do imóvel, que não vem obedecendo as diretrizes impostas pelo IPHAN.
“A antiga pensão Portela, quando foi tombada em 2010, ela já estava em avançado estado de degradação, já estava arruinada. Desde então a gente vem buscando um entendimento com os proprietário. Houve uma notificação, auto de infração e todos os procecimentos administrativos possíveis foram realizados em relação a Pensão Portela", explica.
 A gestora desmente que o órgão esteve no local há dois anos e fala sobre a atual situação do ímovel. "Solicitamos à Defesa Civil municipal que isolasse a área, mas não fomos atendidos.
Na última vistoria realizada, em fevereiro de 2013, verificamos que o dono está construindo uma garagem na área. Essa construção foi embargada e isso foi comunicado ao Ministério Publico Estadual", relata. 

Valor histórico
Em função de seu valor histórico de primeira capital do Piauí, entre os anos de 1939 e 1940, o Iphan tombou isoladamente três bens em Oeiras: a Ponte Grande, o Sobrado João Nepomuceno (1939) e a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Vitória (1940).
A proposta do Instituto é abranger uma área mais ampla do Centro Histórico, que inclui alguns dos trechos mais antigos da cidade, como o conjunto da Praça das Vitórias, o entorno dos riachos do Môcha e da Pouca Vergonha, o conjunto da Praça do Mercado Público Municipal e Praça Mafrense e o conjunto do Largo do Rosário.
Além destes, o Iphan também pretende tombar a Casa do Canela, uma antiga propriedade rural de arquitetura tipicamente piauiense e totalmente preservada, e a Casa da Pólvora, o único edifício militar remanescente do período colonial no Piauí, construída para abrigar o paiol das forças militares da Capitania.
Associadas a esse conjunto também se destacam manifestações culturais de longa tradição, que permanecem vivas no seio da comunidade em celebrações religiosas como a Procissão dos Passos, a Procissão do Fogaréu, eventos religiosos realizados durante a Semana Santa e que conseguem atrair diversos turistas. Outra manifestação é Congo de Oeiras, dança africana que chegou ao Piauí no início da colonização.

Fonte: http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2013/05/casarao-no-centro-historico-de-oeiras-no-piaui-ameaca-cair.html 

















Situação da Pensão dos Portelas envolve proprietários e IPHAN  (Foto: Ellyo Teixeira/G1)

 
  













Ester Rêgo Ribeiro, diz que situação do casarão
é preocupante (Foto: Ellyo Teixeira/G1) 

















Francisco Portela Barbosa afirma que IPHAN não
autorizou reforma no prédio (Foto: Ellyo Teixeira/G1) 

















"Casarão já estava aruinado quando foi tombado", diz
superintendente do IPHAN (Foto: Pedro Santiago/G1) 


















Pensão Portela ameaça cair (Foto: Ellyo Teixeira/G1) 

domingo, 19 de maio de 2013

Caixa vai financiar restauração de imóvel privado tombado

Quem é dono de um imóvel privado tombado pelo patrimônio histórico poderá, em breve, pegar dinheiro emprestado a juro zero para fazer uma restauração. A linha de crédito especial, que deve ser liberada no segundo semestre, promete revitalizar cidades em todo o Brasil.

Fonte: http://defender.org.br/2013/05/18/caixa-vai-financiar-restauracao-de-imovel-privado-tombado/

Antigo prédio da Câmara Municipal de Porto Velho deverá abrigar museu

A antiga sede da Câmara Municipal de Porto Velho, localizada na Rua José Bonifácio, no centro da cidade, deverá ter a estrutura restaurada para abrigar o Museu da Oralidade, onde relatos de figuras políticas que contribuíram historicamente para a formação do município deverão fazer parte do acervo. O início da obra depende da sanção do Projeto de Lei (PL) que transfere a propriedade, pertencente a prefeitura, para a câmara.
De acordo com o presidente da câmara municipal, vereador Alan Queiroz (PSDB), autor do PL que autoriza a prefeitura a doar a propriedade para o legislativo, cerca de R$ 800 mil de recurso próprio deverão ser empenhados na obra e o projeto de restauração já foi elaborado com a participação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).
“Estamos querendo fazer [a restauração], mas é preciso que a prefeitura dê condição para isto”, explica o vereador, que diz já ter recebido um sinal positivo por parte do prefeito Mauro Nazif, dependendo apenas do parecer da Procuradoria Geral do Município (PGM).
Alan explica ainda que o parecer da PGM é com relação aos tramites burocráticos do prédio, que havia sido doado a Fundação Cultural do município – antiga Iaripuna e atual FunCultural. O procurador geral do município Carlos Dobbis, afirma que o processo de doação está sob análise da PGM e que o resultado deverá sair na segunda-feira (20).
A antiga administração chegou a anunciar a transformação do espaço em uma Divisão Multicultural, com espaços artísticos para teatro, artes plásticas e audiovisual. Entretanto, o projeto não saiu do papel.
A atual presidente da FunCultural, Jória Lima, se manifestou a favor da doação do prédio à câmara, “tendo em vista que a câmara já possui projeto e recurso para isto”, justificou a  presidente, salientando a importância da recuperação histórica e cultural do município.
Abandonado e tomado por matagal e lixo, o prédio serve de abrigo para moradores de rua. Na última semana o Ministério Público de Rondônia ajuizou uma ação civil pública para que a prefeitura promovesse a restauração integral do local no prazo máximo de seis meses.
Para Alan Queiroz, a ação não deve atrapalhar o andamento do processo de doação para a câmara. Segundo o vereador, a estimativa é de que a obra seja concluída entre seis e oito meses a partir da expedição da Ordem de Serviço.

Fonte: http://g1.globo.com/ro/rondonia/noticia/2013/05/antigo-predio-da-camara-municipal-de-porto-velho-devera-abrigar-museu.html 

















Antigo prédio da Câmara está tomado por mato e entulhos (Foto: Vanessa Vasconcelos/G1)

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Dominando o ar

Biblioteca Fazendo História acontece no dia 21 de maio, às 16h, na Biblioteca Nacional. Neste mês, o evento discute os caminhos que levaram o avião a se tornar uma das maiores invenções da humanidade 

 “Aviação, erros e acertos” é o tema do Biblioteca Fazendo História, que ocorre às 16h do dia 21 de maio, no auditório Machado de Assis, da Biblioteca Nacional. Como é costume, o evento dialoga com a edição impressa da Revista de História, que traz na capa deste mês “A invenção do voo”. Desta vez, quem sobe ao palco do debate são os pesquisadores Mauro Lins de Barros, consultor aeronáutico e autor de Xavante: o guerreiro da FAB, e Henrique Lins de Barros, professor do Instituto Carlos Chagas e autor de Santos-Dumont, a invenção do voo.

Os convidados falarão sobre os primórdios da aviação no mundo: entre os erros e acertos, até a consolidação do invento como um dos maiores da história da humanidade. O evento integra a programação da série de debates Biblioteca Fazendo História, que acontece uma vez por mês no auditório Machado de Assis da Biblioteca Nacional. A entrada é gratuita, sem necessidade de inscrição prévia. A presença no evento dá direito a certificado de participação, que pode ser utilizado por alunos e professores como horas de atividades complementares. O debate também pode ser acompanhado em tempo real pelo site www.institutoembratel.org.br e pelo twitter da revista.

Serviço
Endereço:  Auditório Machado de Assis, Fundação Biblioteca Nacional (Rua México s/nº, Centro, Rio de Janeiro).
Data: 21 de maio, às 16h. Informações: (21) 2220-4300, ramal 215.
Inscrições no próprio local. Entrada franca, com direito a certificado de participação.



Patrimônio Cultural na Copa das Confederações

Toda beleza e diversidade do Patrimônio Cultural referente às cidades que serão sede da Copa das Confederações está acessível no Portal da Copa. O guia idealizado e elaborado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) foi publicado no site levando ao internauta um pouco da história dos monumentos, saberes e ritos que construíram a identidade dos seis municípios.

Confira clicando aqui.
Fonte: ASCOM IPHAN 

Fonte: http://portal.iphan.gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=17403&sigla=Noticia&retorno=detalheNoticia 





Governo estuda transformar base de Alcântara em polo turístico

Os ministérios do Turismo (Mtur), e da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) começaram a discutir um plano de revitalização turística para Alcântara. A ideia é transformar o município num polo de turismo espacial, em torno do centro de lançamentos.
O plano se espelha no exemplo de outras bases espaciais, como Cabo Canaveral, nos EUA, e Kourou, da Guiana Francesa, que também transformaram suas atividades em atração turística. Para Alcântara, cidade que integra o patrimônio histórico nacional e que viu o turismo minguar nas últimas décadas, a proposta traz uma oportunidade de atrair turistas também para seu centro histórico.
O plano inclui a construção de um hotel na vizinhança do Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA), a reforma do aeroporto da base, com a construção de um terminal de passageiros que possa receber voos civis, e a reforma no cais do Jacaré, principal ponto de embarque e desembarque de passageiros que vêm e vão entre São Luís e Alcântara, que hoje funciona com limitações. “Essa é uma grande reivindicação da população de Alcântara. Hoje o atracadouro do Jacaré já não atende mais, as lanchas têm problemas mecânicos e até de segurança”, afirmou o ministro Gastão Vieira (Mtur).
Em uma reunião com Marco Antonio Raupp (MCTI) e o presidente da Agência Espacial Brasileira, José Raimundo Mussi, o ministro do Turismo propôs que as lanchas da Aeronáutica que trazem os funcionários da base espacial possam ser usadas pela população civil em dois horários ao longo do dia. Ao mesmo tempo, seriam feitos reparos no atracadouro existente.
“Nós ofertaríamos à população um novo meio de transporte, mais moderno, que aliviaria muito a tensão que todo mundo tem por falta de deslocamento”, prosseguiu o ministro. Paralelamente caminharia o projeto de construção de um cais em Cujupe, a 14 km de Alcântara, que atenderia tanto ao programa espacial quanto à população civil.
A proposta também visa consolidar a reaproximação da agência espacial com o município, após um relacionamento tenso no passado. “As operações de lançamento têm características específicas, mas fora das campanhas de lançamento não há problema nenhhum em usar as instalações durante o resto do ano”, afirmou Marco Antonio Raupp.

Fonte: http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2013/05/governo-estuda-transformar-base-espacial-em-polo-turistico.html 

















Projeto pode incluir CLA, em Alcântara, em polo turístico (Foto: Biaman Prado/O Estado)
















Reunião entre ministros discutiu investimentos para
Alcântara (Foto: Divulgação/Mtur)