segunda-feira, 7 de outubro de 2013

O telhado verde de Le Corbusier

O telhado verde é sem dúvida o tema mais comentado quando falamos em arquitetura sustentável e vem interessando muita gente nesses últimos tempos em que a consciência ambiental se torna cada vez mais comum.
Esse conceito, que causa em muitos a sensação de novidade, já foi pensado há bastante tempo, mais precisamente no Egito antigo, porém, definido como conceito arquitetônico apenas em 1920, pelo arquiteto francês, Le Corbusier.
O arquiteto modernista Charles-Edouard Jeanneret-Gris, mais conhecido como Le Corbusier, foi quem desenvolveu a ideia de terraços jardins, com a intenção de compensar a pegada ambiental causada pela construção no terreno e proporcionar uma maior qualidade de vida as pessoas através de áreas de lazer verdes.
O conceito era tão importante que passou a ser considerado um dos 5 pontos fundamentais da nova arquitetura e com sua grande difusão, o terraço jardim serviu de influencia para vários outros arquitetos. No Brasil, foi utilizado por Lucio Costa no projeto do Palácio Gustavo Capanema, no Rio de janeiro, atual sede do MEC (ministério da educação).
Para Le Corbusier, as cidades modernas encontravam-se asfixiadas, sem áreas verdes suficientes, não contribuindo para uma boa qualidade de vida dos cidadãos. Então, propôs que todas as construções tivessem seu próprio terraço-jardim. Na Villa Savoye, construída na França, Le Corbusier utilizou os seus cinco pontos da arquitetura moderna e seu terraço-jardim está presente como "compensador" da pegada da casa e espaço para lazer.
Com quase um século de existência, o conceito de telhado verde desenvolvido por Le Corbusier é mais atual do que nunca. Em tempos de crise ambiental, cada um pode fazer sua parte colaborando para sua comunidade e o planeta.
O uso do telhado verde trás benefícios como:
São ótimos espaços para área de lazer;
Retenção de água da chuva, armazenando toda a água excedente e aliviando as tubulações de água pluvial da cidade contribuindo para que não aconteçam inundações;
Purifica o ar absorvendo gás carbônico e liberando oxigênio;
Isolante acústico, tornando o ambiente em seu entorno agradável diminuindo a poluição sonora.
Segundo dados da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, cerca de 25% da superfície de uma cidade é composta por telhados. Como resultado, 80% da incidência solar é absorvida por essas coberturas impermeáveis.
Os custos para instalação de um telhado verde variam de acordo com as tecnologias adotadas e materiais utilizados. A vontade de obter esse tipo de telhado esbarra muitas vezes na falta de mão-de-obra especializada, o que torna seu custo mais alto.
Atualmente existem no Brasil tecnologias eficazes e simples de construção de telhados verdes, permitindo a amortização rápida do investimento pela economia de energia que sua instalação gera.
Aqui no Arquitetura Sustentável você pode aprender a fazer seu próprio telhado verde clicando aqui.

Fonte: http://arquiteturasustentavel.org/o-telhado-verde-de-le-corbusier-2/ 













Representação gráfica do que seria uma grande edificação no período antigo.





















Palácio Capanema - Rio de Janeiro

















Terraço jardim do Palácio Capanema, projetado por Burle Marx




















Le Corbusier


















Terraço jardim da Villa Savoye

















Telhado verde em edifício nos Estados Unidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário